quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Liberte-se


Sersenfé se considerava um grande mestre porque havia estudado todos os livros de todas as escolas de mistério da face da terra, sua busca pelo conhecimento o havia conduzido a lugares, a iniciados e a tomos de magia que antes ele nem sabia ser possível existir.

Então, refletindo sobre sua vida e onde já tinha passado, Sersenfé percebeu que existia apenas um lugar que ele não havia visitado. Era o de um ancião que vivia solitário em uma choupana no local mais inacessível da floresta, era um homem estranho que não era coberto de títulos e comendas como os outros mestres que até então ele já encontrara, era uma pessoa que vivera toda sua vida nas florestas e de lá extraira tudo o que sabia.

Então ele foi visitar este homem em busca de conhecimento. Enquanto o ancião servia lentamente chá em seu copo, Sersenfé comentava os livros antigos dos mestres, os exercícios dos gurus iogues, analisava os textos das tradições secretas de conhecimento, interpretava as histórias e as tradições dos grandes iniciados, divagava sobre os antigos processos de reflexão e hierarquias ocultas. Fez todo o possível para impressionar seu anfitrião, na esperança que este o aceitasse como discípulo.

Enquanto falava, o ancião continuava enchendo seu copo, até que o copo transbordou e o chá começou a espalhar-se pela mesa inteira. Nessa hora, assustado, Sersenfé parou de monologar e fez uma pergunta:

- O que o senhor está fazendo? Não vê que o copo já está cheio e nada mais cabe em seu interior?

- Sua alma é como este copo. Como eu posso ensinar-lhe a verdadeira arte do conhecimento se ela já está cheia de teorias e sabedorias? - respondeu o ancião.



Salvar esse texto, clique aqui.